sexta-feira, 25 de maio de 2007

A VIDA BEIJOU A MORTE

© LUSA

- Há mortos e feridos em Bulbul. Há mortos e feridos em Khur el Bachar.
Quisera enganar-me, mas estas e outras passam a ser notícias de rotina no Darfur.
Os comentários na rua terminam com um encolher de ombros que diz muito:
- Que posso fazer? Os soldados da paz da União Africana andam por aí aos montes. Ainda agora aqui passaram duas furgonetas de caixa aberta cheias; armados até aos dentes. Em Bulbul e Khur el Bachar seria necessária a sua presença. Mas não. Andam por aqui a passear no mercado da cidade, a atrapalhar quem quer fazer vida...’
Levanto os olhos para a cruz. Vejo a morte que resiste e não quer morrer:
- Pai, porque me abandonaste?
Palavras ‘escandalosas’ na boca daquele que é o Filho de Deus?!
Tiveste mesmo que morrer desse jeito?! Tocaste o fundo do que é o mais baixo e vergonhoso do último dos seres humanos. Mas desse mesmo quiseste ser irmão. E o seu coração reviveu quando dos teus lábios moribundos ouviu o derradeiro testemunho:
-Tudo está consumado.
Sim, mesmo tudo. Em obediência ao plano de amor que te levou à morte de cruz. Essa cruz que vamos homenagear de aqui a uns momentos. Um beijo, um olhar a dizer shukran (obrigado), uma genuflexão. Aceita, Senhor, este gesto meu e destes irmãos e irmãs de Nyala. Não estamos aqui para fazer conspiração de vingança à maneira humana. Também não queremos anunciar ao mundo o luto pela tua morte. É o nosso agradecimento que te vimos trazer. Hoje, de maneira muito especial, com todos os redimidos do mundo inteiro. Hoje, dia da Grande Sexta-Feira, a tradução literal do árabe para a Sexta-Feira Santa.
Quando penso na sua morte Ele não está morto. Vive e eu vivo com Ele. Vive e vivem com Ele os 200 mil caídos na guerra do Darfur e os seus 2 milhões e meio de refugiados que tentam agarrar-se à vida.
O José de Arimateia não se enfadou comigo quando lhe pedi para entrar e ficar no sepulcro com Jesus. Oportunidade única para um velório muito particular. Por um amigo que deu a vida por mim. Estar ao pé dele. Isso é tudo.
As trevas não têm fim e a solidão aumenta. Penso que já é Sábado. O silêncio é sepulcral! Morte verdadeira e não fingida. Finalmente, a Luz e a Vida explodiram nas trevas da noite e da morte. Ah, sim, é o primeiro dia da semana. Tentei registar a hora exacta, mas o tempo não existe. Só há eternidade. Não ouso perguntar quem rolou a grande pedra que tapava o sepulcro. Que importa!? Sei que Ele ressuscitou e isto é tudo!
A vida beijou a morte e abriu-lhe as portas da eternidade feliz. Cruz, morte, sepulcro, ressurreição... pertencem ‘à mesma realidade. É Grande e é Santa aquela Sexta-Feira, pois é irmã do Domingo de Páscoa.
Cantemos Aleluias! As nossas vozes já não podem destoar. O Senhor Ressuscitado está presente e vai afinando, connosco, as cordas da eterna melodia.

Feliz Martins,
Missionário Comboniano em Nyala, Sul do Darfur (Sudão)

4 comentários:

Ferípula disse...

El abandono es una interpretación humana... un sentimiento. También es una experiencia.
Dios no creo que abandone... Pienso que NOSOTROS abandonamos por falta de verdadero amor y compromiso en nuestro corazón.

No abandonemos: bendigamos con nuestro compromiso.

Un beso desde Argentina!

Joshua disse...

Adorei este blogue! Abram-se todos sem medo ao Amor de Deus! Parabéns!!!

Joshua disse...

It's so nice for me to have found this blog of yours, it's so interesting. I sure hope and wish that you take courage enough to pay me a visit in my PALAVROSSAVRVS REX!, and plus get some surprise. My blog is also so cool! Off course be free to comment as you wish.

Asheran, de seu nome disse...

"O verdadeiro caminho místico apenas tem início quando a consciência pode ir além dos limites pessoais. O misticismo corresponde à dissolução da vida humana na vida total; é o fruto da união que funde o transitório ao atemporal, o fragmento à Unidade." - Trigueirinho