quinta-feira, 28 de junho de 2007

Igreja Católica: A Verdadeira Igreja de Cristo

É a Igreja Católica que nos dá a conhecer o verdadeiro rosto de Jesus.
Aquele rosto transfigurado à imagem de Deus, no Monte Tabor, e aquele rosto transfigurado à imagem do Homem na cruz.
Mas destes dois rostos, há um que permanece e que coincide com o rosto do Ressuscitado. É aquele que brilha, que ilumina e que vai transfigurar, não só os nossos próprios rostos, mas principalmente os nossos corações.
(Com esta mensagem eu não queria ferir susceptibilidades. Talvez não a deveria ter postado, mas agora já é tarde (ver Partilhas). Espero que quem não practica a fé católica a possa ignorar. Afinal aquilo que nos une - O AMOR DE DEUS - é mais forte do que aquilo que nos separa. Apresento as minhas sinceras desculpas a todos.)
Nelson Viana

11 comentários:

por uma lágrima disse...

Imortalizei esta imagem em mim.
Referência perpétuada...

Lindo!

Atrevida & Rebelde disse...

se perguntares a 1 catoloco o que esta escrito na biblia ele nao te sabe dizer... mas vai la' perguntar a um catolico-protestante ou evangelico se preferires e teras a resposta...

vais a 1 igreja catolica e tens imagens... quando Deus diz, " nao teras mais nenhum deus pralem de mim... e nao adoraras nenhuma imagem "

Luis Carlos disse...

Olá,

O problema é que só pode existir uma verdadeira igreja de Cristo, as demais serão sempre uma mentira.

Este é um bom princípio para uma guerra, pois todas as outras igrejas de Cristo se dizem verdadeiras Igrejas de Cristo.

Afinal, em termos absolutos, qual é a verdadeira Igreja de Cristo?

Até já,
Luís Carlos

elsa nyny disse...

"Amai-vos uns aos outros como eu vos amei..."

O amor começa sempre com o respeito múto...aceitemos as diferenças, que elas nunca nos separem mas unam e sempre sempre nos ajudem a crescer!!!

Beijinhos para todos!!!

Cátia disse...

Meus amigos,

Neste nosso blog quem reina é O Amor De Deus... Quando convidei vários dos que aqui estão disse que o unico requisito é amar... Amar a Deus... E esse amor é certamente sincero em todos os que aqui estamos... Que possamos respeitar as nossas diferenças e que estas façam com que possamos crescer na fé.

Um bem haja para todos vós, meus irmãos em Cristo.

s disse...

ui, ui...
quem é que gostaria que as flores fossem todas da mesma cor?
ou que a música fosse exactamente sempre a mesma?
ou que todos os nossos rostos tivessem feições exactamente iguais?
... e se todos os blogs tivessem as mesmas fotos e falassem exactamente dos mesmos assuntos com as mesmas palavras e o mesmo sentir?

Não falo em nome de nenhum raio de religião (ou, pelo menos, não como quem fala de um clube de futebol em que o meu é sempre o melhor de todos...), falo como alguém que acredita num Deus que criou os Céus e a Terra, e com tanta beleza e diversidade que até nos concedeu a liberdade de O amarmos e buscarmos como cada um se sente mais inclinado a fazê-lo...
Quem é que tem a lata de dizer que acredita nisto ou naquilo, nesta "fé" ou noutra quando não consegue fazer a mínima das mínimas mais básicas condições para a viver essa fé que é AMAR A DEUS SOBRE TODAS AS COISAS, E AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO... porque nesse próximo também habita Deus, porque em mim também habita Deus... então vamos amá-l'O e respeitá-l'O como tal.
Perdoem-me, mas não acredito em guerras de espécie nenhuma... a não ser a teimosia de respeitar o outro e rivalizar em como amar toda a criação, do mais belo e puro modo... a guerra do Amor... dessa sim, podem-me falar.

Louvemos a Deus, que através do Seu Filho Jesus Cristo, quis abraçar o mundo INTEIRO

(repugna-me, enoja-me, o "racismo" religioso!!!)

(e sim, escrevo como anónimo, talvez por ser cobarde, ou talvez por não querer que me chateiem com esta história... se alguém quiser comentar o que eu disse é livre de o fazer, eu voltarei a passar por aqui)

Amo-vos a todos como Irmãos do mesmo Pai dos Céus!

P.S. e já agora, acerca da igreja católica... tem imagens sim, como temos nós em casa as fotografias de quem amamos...

Felipe Fanuel disse...

Caríssimas irmãs e caríssimos irmãos,

Por favor, deixai meu ímpeto protestante discordar até as entranhas com o que foi postado aqui.

Em primeiro lugar, a igreja de Cristo nunca pode ser verdadeira, porque se assim fosse, estaria presa a um conceito hermético de verdade. E, convenhamos, a mensagem de Jesus é aberta a todos os credos e confissões, jamais fechada. Ele não criou igreja ou doutrina, mas viveu segundo aquilo que acreditava ser o sentido último de sua existência: amar a Deus e ao próximo. Ele foi tudo o que queremos ser, isto é, tudo o que nunca conseguiremos ser.

Outra coisa, se a igreja é de Cristo, ela não pode pertencer a uma bandeira denominada catolicismo, ou qualquer outro rótulo. Nem mesmo o que chamamos “cristianismo” pode ser sinônimo dos ensinamentos daquele pobre homem de Nazaré, tampouco aquilo que chamamos “igreja” isso “igreja” aquilo. Sabemos que o grande idealizador do sistema religioso cristão e do seu pensamento clássico foi Paulo. Ele, um epiléptico, cheio de cultura, religioso radical, machista por natureza e por opção, erudito na forma de organizar suas idéias, passa longe da pessoa simples, sábia, crítico-criativa, amável com todas e todos, e descompromissada com qualquer preceito religioso que era aquele filho de José, de Maria e de Deus.

Já a pessoa de João Paulo II, um polonês cujo nome de batismo era Karol Józef Wojtyła, tornou-se sinônimo de um catolicismo emergentemente hostil a qualquer forma de opressão, mas que acabou caindo na cilada de definir quem é o opressor. O problema é que o Vaticano II acabou recebendo o crédito de vilão, mesmo que este concílio tenha sido um dos mais apreciáveis por parte de outras religiões na história da igreja romana, sobretudo por causa de sua abertura ao diálogo com outras confissões e por sua preocupação social. O pontificado deste homem, todavia, legou-nos o ideal de que é possível ser diferentemente humilde quando se está no poder. A arrogância do seu sucessor, porém, não revela a mesma humildade.

Concluo dizendo que toda igreja e instituição religiosa têm seus podres, suas ideologias, suas características humanas, demasiadamente humanas, contra as quais temos todo direito de discordar, criticar, elogiar, et cetera. No entanto, evitemos, pois, transformar nossos espaços e conceitos sacros no próprio sagrado. Afinal, cremos que o sagrado se revela, seja como for, algures e alhures, cujo controle não está nas mãos de ninguém, nenhuma instituição, por mais importante que seja para uma tradição, como são João Paulo II — que Deus o tenha! — e a igreja católica.

Um abraço amigo.

sonia farmaceutica disse...

O verdadeiro rosto de Jesus encontra-se em comunhão com os outros, independentemente da maneira que cada um de nós encontrou para viver essa comunhão. Nos últimos anos tem havido um crescente esforço ecuménico e interconfessional porque a fé deve servir para nos unir e não para nos afastar. Deus é só um, seja qual for o nome que lhe dermos, "Eu sou Aquele que sou" disse o Senhor. Que o "O Amor de Deus" seja também um espaço de encontro e partilha onde todos sejam bemvindos.

A vossa amiga em Cristo

Novo Tempo disse...

Igrejas a Bíbilia é a verdadeira regra de fé de conduta, não doutrina, credos e algo mais. Jesus Cristo é o Cabeça da Igreja, conferi em Atos do Apostolos, tudo que foge disso não é verdadeiro.

Novo Tempo disse...

Outra coisa adoraras somente a Deus. E Jesus Cristo é único intercesor entre o homem e seu criador. E o Espirito Santo é o único ser capaz de iluminar nossa direção para este caminho e os anjos nos dão proteção de guarda nessa vida terrena, basta pedir ao pai que ele envirá seus anjos de qualquer grandeza para nossa proteção contra as forças que domina o mundo invisivel e domina as nossas mentes.

Novo Tempo disse...

Pessoal foi pela palavra intercessor.