segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

O amor é o cumprimento perfeito da Lei


“O amor é o cumprimento perfeito da Lei”
(Romanos 13,10)

Essa frase conclui uma ampla parte da “Carta aos Romanos”, na qual são Paulo nos apresenta a vida cristã como uma vida de amor, voltada para os nossos irmãos e irmãs. De fato, esse é o novo culto espiritual que o cristão é chamado a oferecer a Deus, inspirado pelo Espírito Santo1, que é o primeiro a suscitá-lo nos corações.


Resumindo o conteúdo das suas palavras, o apóstolo afirma que o amor ao próximo nos faz atuar, plenamente, perfeitamente, a vontade de Deus contida na Lei, isto é, nos mandamentos. O amor para com os nossos irmãos e irmãs é o melhor modo, o mais autêntico, para demonstrar o nosso amor a Deus.


“O amor é o cumprimento perfeito da Lei”

Mas em que consiste, concretamente, essa plenitude e perfeição? É o que podemos verificar nos versículos precedentes, nos quais o apóstolo nos descreve as várias expressões e os efeitos desse amor. Para começar, o verdadeiro amor não faz nenhum mal contra o próximo2. Portanto, leva-nos a viver todos os mandamentos de Deus, e não exclui nenhum3, uma vez que o primeiro objetivo deles é fazer com que evitemos, tanto para conosco mesmos quanto para com os nossos irmãos e irmãs, todas as formas de mal, nas quais corremos o risco de cair.

Além de não fazer nenhum mal, esse amor nos leva a cumprir todo o bem de que o próximo necessita4. Essa frase nos estimula ainda a um amor solidário e sensível às necessidades, às expectativas, aos direitos legítimos dos nossos irmãos e irmãs; a um amor que respeita a dignidade humana e cristã; a um amor puro, compreensivo, capaz de partilhar, aberto a todos, como Jesus nos ensinou.

Esse amor não existe se não estivermos dispostos a sair do nosso individualismo e da nossa auto-suficiência. Por isso, essa Palavra nos ajuda a superar todas as tendências egoísticas (soberba, avareza, luxúria, ambição, vaidade etc.), que carregamos dentro de nós e que constituem o principal obstáculo para amar5.

“O amor é o cumprimento perfeito da Lei”

Então, como podemos viver a Palavra de Vida neste mês do Natal? Colocando em prática as várias exigências do amor ao próximo que essa Palavra nos apresenta.
Dessa forma, em primeiro lugar, evitaremos causar qualquer tipo de mal ao próximo; estaremos constantemente atentos aos mandamentos de Deus relacionados à nossa vocação, à nossa atividade profissional, ao ambiente onde vivemos; porque a primeira condição para atuar o amor cristão é nunca ir contra os mandamentos de Deus.

Sobretudo, cuidaremos daquilo que constitui o coração, o motor, o objetivo de todos os mandamentos. Cada um deles – como vimos – quer levar-nos a um amor sempre mais vigilante, sempre mais delicado e respeitoso, sempre mais concreto para com os nossos irmãos e irmãs.
Ao mesmo tempo, desenvolveremos o espírito de desapego de nós mesmos, ou seja, a superação dos nossos egoísmos, que é resultado da vivência do amor cristão.
Assim, cumpriremos de modo perfeito a vontade de Deus, dando-lhe a demonstração de amor que mais lhe agrada6.


“O amor é o cumprimento perfeito da Lei”

A experiência de uma advogada que trabalha no Ministério do Trabalho pode servir de exemplo. Ela mesma conta:

“Um dia, apresento ao proprietário de uma empresa a denúncia de que os operários não estão sendo pagos conforme a constituição trabalhista. Depois de quatorze dias de incessante busca, encontro os documentos que confirmam as irregularidades. Peço a Jesus a força para ser fiel às suas palavras que me querem na verdade e, ao mesmo tempo, como um instrumento do seu amor.

O proprietário, diante das provas, defende-se dizendo que certas leis lhe parecem injustas. Faço-lhe perceber que os nossos erros não podem ser justificados pela incoerência dos outros. Confrontando os nossos pontos de vista, entendi que ele tem as minhas mesmas exigências de justiça e igualdade, mas que se tinha deixado envolver pelo ambiente onde vive.
No final me diz: ‘A senhora poderia ter-me humilhado e acabado comigo, mas não o fez. Por isso, tenho o dever moral de recomeçar’. Ele tinha um compromisso urgente e não dispunha de tempo para que eu preenchesse o ato de infração. Então, ele assinou o formulário em branco. Para mim foi a prova de que ele estava realmente disposto a mudar”.


Chiara Lubich

1) Cf. Rm 12,1;
2) Cf. Rm 13,10;
3) Cf. Rm 13,9;
4) Cf. Rm 12,6-8;
5) Cf. Rm 12,9-21;
6) Cf. Rm 12,2.

1 comentário:

Paz disse...

Necesito tu voz en mi blog .

Paz/