sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

Convite


Dei-me conta, dia desses, que o Seu aniversário está chegando. Não que eu tivesse anotado no calendário. Lembrei da data, por causa do tumulto das lojas.


Todo ano é assim. As pessoas ficam muito preocupadas em comprar muitos presentes e coisas novas. O mais estranho é que eles não são para Você.

São para si mesmos, para parentes, amigos, clientes, conhecidos. Este ano, pensei em convidar Você para comemorar o Seu aniversário lá em casa.
Como sua família é a Humanidade, é possível que Você tenha muitos convites. É possível que muitas pessoas, no mundo todo, queiram que Você esteja com elas, nesse seu dia tão especial.

Sabe, como existe a questão do fuso horário, criando diferentes horas em diversos locais do globo, creio que Você não terá muitas dificuldades. Você poderá vir à hora que quiser. Estarei esperando. Minha casa não é muito grande. Aliás, é bem pequena. Tenho certeza que Você não se importará.

E também creio que não se importará de andar em estrada de chão, porque o bairro onde moro é dos mais distantes. Quase ao final da cidade. Porém, como Você andou muito pelas estradas, e pelos campos, não creio que terá dificuldades em enfrentar esse pequeno trecho.

Se vier durante o dia, Você reconhecerá minha casa, pelas rosas que enfeitam a cerca. Estarão todas desabrochadas, no dia do seu Natal. Elas costumam se debruçar, pendendo para o lado de fora, espiando a rua. Tenho certeza que nesse dia, mais do que nunca, elas estarão alongando suas hastes para vê-Lo desde longe.

E quando O virem, exalarão tal perfume que me dirá que Você está chegando. Deixarei a luz acesa, caso Você decida vir após o cair da tarde. E a porta entreaberta. A mesa estará posta. Tenho guardado uma toalha para ocasiões especiais. Estará cobrindo a velha mesa. Assarei pão. Possivelmente não será tão saboroso como o de sua mãe. Entretanto, tenha certeza que farei a massa com todo o carinho.

Colherei frutas das árvores do quintal e farei um bolo. Como sei que Você aprecia convidar os que andam pelas ruas, os que andam sozinhos, para a comemoração do seu aniversário, colocarei alguns pratos extras.

Só peço que Você não convide muita gente, Jesus. Afinal, minha casa é pequena e meus recursos são poucos. Mas, repartirei com prazer o que tiver. Talvez Você não possa ficar muito tempo. Sei que Você é muito ocupado. Contudo, mesmo que Você parta, os seus amigos poderão ficar.

Continuaremos a conversar sobre a grandeza dos Seus feitos e a sublimidade dos Seus ensinos. Preciso muito relembrar essas questões tão esquecidas.

Se Você vier, Jesus, talvez possa esse ser o Natal da minha redenção.

É que me sinto um tanto perdido, entre as coisas do mundo. Ando esquecido de orar. Por vezes, quase esqueço que sou filho de Deus. E herdeiro do universo. Sinto-me tão só que esqueço que posso encontrar irmãos em toda parte. Esqueço de tantas coisas. Por isso, Jesus, a Sua presença, no Seu aniversário, será tão importante.

Desejo, sinceramente, Jesus, que Você possa vir à minha casa para encher de luz meu coração e minha vida. Eu lhe direi feliz aniversário. Você me dará o presente de sua presença. E, então, será verdadeiramente Natal.


(Texto da Equipe de Redação do Momento Espírita)


Feliz Natal!

1 comentário:

Ana disse...

Convite Aceito.

Lá estarei, levo pão para repartirmos no teu aniversário Pai.